JavaScript must be enabled in order for you to see "WP Copy Data Protect" effect. However, it seems JavaScript is either disabled or not supported by your browser. To see full result of "WP Copy Data Protector", enable JavaScript by changing your browser options, then try again.

Legalização das drogas não é o caminho para diminuir a violência, mas sim prevenção

Problemas com Álcool ou Drogas? Podemos ajudar!
(61) 3547-3198 / (61) 98669-8646
comunidade-terapeutica-brasilia-instituto-crescer-27

O presente artigo tem como objetivo abordar a crescente discussão sobre a legalização do consumo das drogas no Brasil, principalmente em âmbito jurídico, em que o STF discute a inconstitucionalidade do artigo 28 da Lei 11.343/06, que criminaliza o porte de drogas para uso pessoal. Outrossim, abordará os efeitos da descriminalização das drogas, e seus reflexos na sociedade, bem como na saúde pública; ponderando seu uso para situações extraordinárias e, conjuntamente, defendendo a atividade de prevenção ao uso das drogas.

Legalização das drogas

Muito se discute sobre a influência da legalização das drogas em todo meio jurídico, mercado negro e direito ao livre arbítrio. Mas qual o “x” da questão? Realmente o mercado do tráfico cairá? É pueril acreditar que o tráfico internacional de drogas encerrará suas atividades ilícitas, pois este já está enraizado e conectado mundialmente, inclusive em países que já legalizaram o consumo de entorpecentes.

A criminalidade diminuirá? A “Lei de drogas” veio flexibilizando e despenalizando o artigo 28, no qual o usuário não será levado a cárcere por estar portando para uso, mas continua sendo uma infração de menor potencial ofensivo. Encarcerar o usuário de substâncias entorpecentes talvez não seja a solução, mas é notório ressaltar que toda essa questão se trata de saúde pública, devendo desta maneira aplicar a Justiça Terapêutica, como trata a lei, na qual há a disponibilização gratuita do encaminhamento do usuário a estabelecimento de saúde para um tratamento especializado.

Devemos trabalhar e direcionar o infrator e a população em geral para prevenção e tratamento, como ocorre em países onde já houve a descriminalização das drogas, porém, infelizmente, na prática, a finalidade da Lei não é respeitada e muitas vezes o encaminhamento ao tratamento não ocorre.

Conforme dados da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), a decisão de usar drogas interfere sim no direito coletivo, pois de acordo com as pesquisas, para cada dependente de drogas, existem mais quatro pessoas afetadas, em média, no âmbito familiar e de diversas formas, atingindo cerca de 30 milhões de brasileiros.

Destarte, legalizar as drogas talvez não seja a melhor solução, mas devemos analisar o assunto com cautela e refletir sobre seus reflexos na sociedade e na saúde pública, bem como deverá fixar uma quantidade mínima de droga para tipificação entre tráfico e porte. Outrossim, encaminhando de forma adequada e efetiva o usuário para tratamento e fixando penas mais brandas para pequenos traficantes. Vale ressaltar que penas mais brandas não é sinônimo de descriminalizar.

DESENVOLVIMENTO – PREVENÇÃO ÀS DROGAS

Entorpecentes são todas substâncias naturais ou artificiais que alteram seu organismo e/ou seu psíquico e podem acarretar problemas físicos e psicológicos, bem como a Lei nº 11.343/06 traz como entorpecentes quaisquer “substâncias ou produtos capazes de causar dependência […]”, sendo esta química ou psicológica, podendo serem classificadas como alucinógenas, depressoras e estimulantes (BRASIL, 2006).

Nos últimos tempos muito se tem discutido sobre as medidas de prevenção contra o uso de drogas, pois o seu consumo vem crescendo a cada dia mais entre os adolescentes, bem como em todo o mundo. As mortes causadas diretamente pelo uso de drogas aumentaram em 60%, entre 2000 e 2015 (UNITED NATIONS OFFICE ON DRUGS AND CRIME, 2018).

É preciso uma atenção a mais aos jovens, pois é na adolescência que forma sua personalidade e individualidade, conforme levantamentos recentes, o uso e abuso de substâncias psicoativas (SPA´s) permanece estável no mundo, porém, o número de usuários dependentes cresce cada vez mais. A elevada prevalência no consumo de SPA`s entre os jovens constituem uma ameaça ao seu bem-estar e a sua saúde, bem como sua qualidade de vida, acarretando prejuízos individuais e sociais.

“A melhor maneira de abordar o problema do uso e abuso de drogas entre os jovens é a prevenção. E quando se fala em atuar com jovens, a escola é sempre lembrada como o local de excelência onde esta tarefa deve se desenvolver” (SEIBEL; TOSCANO JR., 2001, p. 43).

Segundo pesquisas, as principais drogas das quais os adolescentes fazem uso no País são o álcool, a maconha e o tabaco (SANCHEZ; OLIVEIRA; NAPPO; 2004; SCHENKER; MINAYO, 2005).

Uma pesquisa realizada em Porto Alegre permitiu concluir que 54% das vítimas de homicídio apresentaram resultado positivo para alguma das três substâncias (bebida alcoólica, THC, cocaína ou alguma combinação entre elas), do total de exames, foi constatado que 30% das vítimas de homicídio apresentaram resultado positivo para THC, ou seja, maconha (MORALES, 2016).

Cintra IT - Seu site profissional responsivo! Ligue (61) 98416-7091

Os programas de prevenção ao uso indevido de drogas são considerados a intervenção mais importante, sobretudo com a juventude. Há três níveis de prevenção ao uso de drogas, onde estes devem ser trabalhados para evitar o ingresso dos jovens ao mundo das substâncias entorpecentes (MEYER, 2003).

A prevenção primária quer evitar ou retardar a experimentação do uso de drogas. Portanto, refere-se ao trabalho que é feito junto aos alunos que ainda não experimentaram, ou jovens que estão na idade em que costumeiramente se inicia o uso. A prevenção secundária tem como objetivo atingir pessoas que já experimentaram e que fazem um uso ocasional de drogas, com intuito de evitar que o uso se torne nocivo, com possível evolução para a dependência. Na prevenção secundária o encaminhamento para especialista também pode e muitas vezes é indicado como forma preventiva de evitar danos maiores a saúde. A prevenção terciária corresponde ao tratamento do uso nocivo ou da dependência. Portanto este tipo de atenção deve ser feita por um profissional de saúde, cabendo à escola identificar e encaminhar tais casos (MEYER, 2003, p. 3).

Muito além da saúde, o consumo de substâncias entorpecentes traz consequências não apenas para a vida do usuário, mas para vários setores da sociedade, bem como para própria família. De modo geral, muitas vezes para sustentar o vício, o usuário comete os chamados “crimes de motivação”. Ao não encontrar alternativas de sustentá-lo, comete crimes, como assaltos e furtos. Esta é uma realidade que é cada vez mais presente.

TRATAMENTO DISPONIBILIZADO AO DEPENDENTE QUÍMICO À LUZ DA LEI 11.343/06

A Lei n.° 11.343, de 23 de agosto de 2006 (Lei de Drogas) instituiu o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas – SISNAD, bem como prescreveu medidas para a prevenção do uso indevido, para a atenção e reinserção social dos usuários e dependentes de drogas (BRASIL, 2006).

Consoante no artigo 3º da referida Lei, trata sobre o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas (SISNAD), in verbis:

  • Art. 3° O Sisnad tem a finalidade de articular, integrar, organizar e coordenar as atividades relacionadas com:
  • I – a prevenção do uso indevido, a atenção e a reinserção social de usuários e dependentes de drogas;
  • II – a repressão da produção não autorizada e do tráfico ilícito de drogas (BRASIL, 2006).

Conseguinte, no artigo 18 preconiza as atividades de prevenção. O uso das drogas traz um grande e devastador risco aos dependentes, podendo desencadear quadros críticos na psiquiatria, conforme diz o médico Antonio Geraldo da Silva, presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP):

A droga, quando consumida, piora todos os quadros psiquiátricos, que já atingem até 25% da população, como depressão, ansiedade e bipolaridade. A maconha pode desencadear as primeiras crises graves. Passamos anos esclarecendo os malefícios do cigarro, lutamos para reduzir o uso de bebida alcoólica, e a pergunta que fica é: a quem interessa e por que a legalização da maconha fumada deve ser fomentada? (SILVA, [201-?] apud A GUERRA…, 2014, online).

Vale salientar que não é somente o usuário que é atingido pelos malefícios do uso da droga, este muitas vezes entra em um sistema de criminalidade para adquirir a substância ilícita, donde furta pertences de seus descendestes, cônjuges e familiares. É notório destacar que a família da pessoa usuária também é vítima desta substância destruidora, que além da perda material, veem dia após dia seu ente destruir-se gradativamente, em razão de sua dependência química.

CONCLUSÃO

Não há o que se pensar em nenhum benefício que as drogas podem trazer, quando questionam a legalização do álcool. Mesmo este sendo uma droga liberada, o álcool está ligado intimamente à violência contra mulher, suicídio, mortes no trânsito, etc. É notório que não conseguimos lidar com os problemas causados pelo álcool.

A abordagem sobre a legalização das drogas deve ser tratada de forma científica e ampla, pois vários são os aspectos a serem analisados, como a segurança, educação, saúde, criminalidade, prevenção e direito coletivo.

O Estado tem que rever suas estratégias de combate ao crime, principalmente o tráfico internacional de drogas, bem como aumentar os investimentos e políticas públicas em prol de campanhas de prevenção ao consumo de drogas, seja lícita ou ilícita, pois é nítido que o consumo das mesmas pode acarretar sérios transtornos e danos físicos, sociais e psíquicos.

Fonte: Canal Ciências

Cintra IT - Tudo para sua empresa ou negócio viver bem na web.

Veja mais

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através do navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.