JavaScript must be enabled in order for you to see "WP Copy Data Protect" effect. However, it seems JavaScript is either disabled or not supported by your browser. To see full result of "WP Copy Data Protector", enable JavaScript by changing your browser options, then try again.

Fábio Assunção, Casagrande e a “cultura da recuperação”

Problemas com Álcool ou Drogas? Podemos ajudar!
(61) 3547-3198 / (61) 98669-8646

Por que nossa sociedade é tão ágil em criar memes cruéis e tão pouco gregária para celebrar a recuperação de um adicto?

Há poucos dias, o ator Fábio Assunção postou fotos em seu perfil no Instagram vendendo saúde. Magro, lindo, saudável e bem disposto. Um fã, cansado de ver o ator ser alvo de vídeos humilhantes e de piadas de mau gosto, lançou a ideia de uma corrente do bem: viralizar as imagens do ator sóbrio. A internet comprou a ideia e, rapidamente, o nome do ator foi parar entre os assuntos mais comentados do Twitter.

Na mesma semana, o ex-jogador e comentarista Casagrande lançou o livro “Travessia”, em que relata detalhes de sua luta contra a dependência. Ele resumiu como uma “faca na alma”, os comentários que recebe em suas redes sociais o chamando de drogado. Dentre os relatos emocionantes, Casagrande conta que a Copa da Rússia, em 2018, foi a primeira a que conseguiu assistir sóbrio.

Casos de recuperação, como de Fabio Assunção e Casagrande, deveriam causar mais comoção pública. Por que nossa sociedade é tão ágil em criar memes cruéis e tão pouco gregária para celebrar a recuperação de um adicto?

Não se trata de um fenômeno exatamente brasileiro. Quantas e quantas vezes assistimos imagens de artistas como Amy Winehouse ou Britney Spears em situações constrangedoras, perseguidas por paparazzi à espera do próximo passo em falso das famosas? Mas em alguns países já percebe-se o movimento da “cultura da recuperação”, de valorizar a vitória de celebridades contra o álcool e as drogas. É o caso de estrelas como Ben Affleck, Bradley Cooper, e Brad Pitt, declarados adictos que, depois de uma longa caminhada, conseguiram se manter abstinentes.

Ainda assim, é preciso deixar claro que não há cura para a dependência química. O melhor resultado a que se pode chegar é a recuperação, um estado de vigilância e conscientização, que sustenta a abstinência e previne recaídas. O processo de recuperação de dependentes se constitui, dentre outras coisas, em ligar-se à pessoas ou grupos que também estão em recuperação, como os Alcóolicos Anônimos, ou que pratiquem hábitos saudáveis, como academia, aulas de dança ou de artes, ao invés de voltados para o uso de álcool e drogas.

Portanto, o reconhecimento às conquistas de quem trava uma luta contra a adicção é fundamental nesse processo. Quanto mais as pessoas que tem a atenção da mídia expuserem não apenas as dores do caminho, mas também a alegria da recuperação, mais gente será impactada – e poderá ser ajudada também.

O próprio termo “dependência química” carrega o peso do estigma. Eu e muitos outros colegas já o abandonamos. “Eu não sou dependente” é uma frase recorrente dos pacientes em começo de tratamento, porque ela carrega uma conotação de julgamento moral, como se fosse um defeito de caráter.

Compartilhar publicamente a superação de uma adicção é expor a trajetória de um ciclo vitorioso. No Brasil de hoje, capaz de criar um “gabinete do ódio”, é muito saudável saber que também podemos criar o “gabinete do amor”, onde se exerce a empatia com os problemas e as conquistas alheias.

Analice Gigliotti é Mestre em Psiquiatria pela Unifesp; professora da Escola Médica de Pós-Graduação da PUC-Rio; chefe do setor de Dependências Químicas e Comportamentais da Santa Casa do Rio de Janeiro e diretora do Espaço Clif de Psiquiatria e Dependência Química.

Fonte: VEJA RIO

Veja mais

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através do navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.