JavaScript must be enabled in order for you to see "WP Copy Data Protect" effect. However, it seems JavaScript is either disabled or not supported by your browser. To see full result of "WP Copy Data Protector", enable JavaScript by changing your browser options, then try again.

Centenas de adolescentes em recuperação podem voltar para as ruas do Brasil

Problemas com Álcool ou Drogas? Podemos ajudar!
(61) 3547-3198 / (61) 99243-1640
183884828_4148713768504936_2114201283928429226_n

Pelo menos 500 adolescentes que estão se recuperando do vício de álcool e outras drogas em comunidades terapêuticas no Brasil poderão voltar para as ruas nos próximos dias. É que, por meio de seus núcleos voltados à infância e juventude, as Defensorias Públicas dos Estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Mato Grosso e Pernambuco, aliados à Defensoria Pública da União (DPU), protocolaram na 1ª Vara Cível da Justiça Federal em Pernambuco uma Ação Civil Pública que visa derrubar, em caráter de urgência, a Resolução nº 3, de 24 de julho de 2020, do Conselho Nacional de Políticas sobre Drogas (CONAD), bem como suspender todos os financiamentos federais a vagas para adolescentes em comunidades terapêuticas.

A mencionada resolução – além de representar um grande avanço na Política Nacional Sobre Drogas do Brasil – regulamenta, no âmbito do Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas (Sisnad), o acolhimento de adolescentes com problemas decorrentes do uso, abuso ou dependência do álcool e outras drogas em comunidades terapêuticas. Contudo, para sustentar o retrocesso, as defensorias alegam que o texto foi aprovado sem a participação de entidades como o CONANDA e CNAS, além de não ser capaz de proteger e garantir o pleno desenvolvimento dos menores dentro das CTs. Um absurdo!

A justificativa daqueles que deveriam defender os brasileiros que mais precisam do poder público não se sustenta, pois o CONAD é um órgão colegiado, ou seja, composto por setores da sociedade civil organizada; e a resolução aprovada lista uma série de medidas para garantir que os adolescentes sejam acolhidos e tratados em um ambiente propício ao seu desenvolvimento, que estava muito prejudicado quando eles perambulavam pelas ruas sem qualquer assistência do Poder Público. Sem falar que o texto ainda garante a ampla fiscalização dos órgãos vinculados à assistência social, para garantir que nenhum abuso seja cometido contra os adolescentes.

Para o Secretário Nacional de Cuidados e Prevenção às Drogas do Ministério da Cidadania, Quirino Cordeiro Jr., o pedido das defensorias públicas é “inacreditável” e “inaceitável”. “Esse pedido significa dizer que cerca de 500 adolescentes com dependência química vão para as ruas e vão ter a possibilidade de tratamento e recuperação suspensos, porque a Defensoria Pública da União e de mais cinco Estados querem impedir isso. Isso é inaceitável! O Governo Federal, por meio da Advocacia Geral da União, já colocou a sua posição em defesa da resolução do CONAD e em defesa do financiamento público para o tratamento de adolescentes com dependência química. A gente não pode aceitar essa situação”, ressaltou.

Cintra IT - Seu site profissional responsivo! Ligue (61) 98416-7091

O presidente da Confederação Nacional de Comunidades Terapêuticas (Confenact), Adalberto Calmon, por sua vez, desqualificou os pedidos. “É uma tremenda irresponsabilidade, irresponsabilidade, dos nobres colegas. Eu também sou advogado e nunca na minha vida iria assinar uma petição condenando os adolescentes acolhidos em comunidades terapêuticas a não terem a oportunidade de concluírem a sua recuperação. São 500 adolescentes que estão tendo o direito de saírem das drogas. A família deve ser protegida e que defensoria pública é essa? Ela defende o quê? Defende ideologias? Não vamos permitir isso! Senhores juízes, principalmente do estado de Pernambuco, abram os olhos para não cometerem uma atrocidade ao deferir uma liminar favorável a esta ação”, apelou Calmon.

Já o presidente da Cruz Azul no Brasil, Rolf Hartman, afirmou: “É inaceitável que a Defensoria Pública da União e desses Estados se posicionem contra aos direitos consagrados dos adolescentes no ECA, em seu artigo nº 101 inciso 5. Inclusive, a Justiça Federal já decidiu, em segunda instância, por unanimidade, pela legalidade do acolhimento de adolescentes em comunidades terapêuticas. Isso é um desrespeito às famílias que estão desesperadas e que precisam de ajuda para os seus adolescentes. Nós precisamos defender os direitos desses adolescentes e não atuar contra o direito a saúde e da vida deles e de suas famílias”.

Cabe destacar também que, por questões meramente ideológicas e mercadológicas, o time contra a vida tem feito avançar no Congresso Nacional a PL 399/2015, que visa regulamentar o uso e o plantio da maconha em larga escala para diversos fins. Essa proposta casada com a ação civil pública potencializa o acesso de muitos adolescentes Brasil afora à maconha e a outras drogas, o que torna a vida em sociedade cada vez mais violenta e insegura. Por isso, o Portal ImagineAcredite se posiciona em defesa da vida e do acolhimento dos jovens dependentes químicos em CTs. Entendemos que todos merecem a oportunidade se livrarem do perverso e aprisionador mundo das drogas.

Por Sérgio Botelho Júnior

Cintra IT - Tudo para sua empresa ou negócio viver bem na web.

Veja mais

Preferências de Privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através do navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.